TV Folclore Portugal

Vídeos in youtube quelhasgoncalves

Loading...

Visualizações ao Blog cultural

Por favor siga as instruções:

Por favor, caso queiram ver as "Mensagens antigas" neste blogue no fim de cada página, CLIC na Página: "Mensagens antigas" e para voltar "Página inicial" Obrigado.
Nota breve: Este blogue é composto por vários Administradores, façam deste espaço o vosso espaço inter-cultural!

sexta-feira, 7 de Março de 2014

Lições da Festa Literária Internacinal de Paraty (Brasil)

“Existe uma consciência cada vez mais clara de vários setores da produção intelectual brasileira de que os últimos anos foram estranhos, e é importante ter consciência dessas questões”, disse Safatle. “Há uma dificuldade para criar uma dinâmica interna em que uma obra remeta a outra, exerça influência. Comparando nosso cinema com o latino-americano, existe uma defasagem. Temos grandes escritores, mas não uma dinâmica de grupo. Essa é uma questão muito específica do Brasil.”


Uma das razões para esse problema, de acordo com Safatle, está no fato de que grandes decisões que afetam o meio cultural são tomadas por diretores de marketing de grandes empresas. “Isso vai impondo certo modelo de difusão, de veiculação, adequado aos interesses corporativos de certas empresas, e é claro que isso tem um impacto. Há 5.000 saraus em São Paulo do qual sequer sabemos porque, do ponto de vista financeiro, não têm o menor interesse. É preciso escapar desse modelo para que a cultura brasileira seja novamente ouvida como merece ser ouvida.”


Safatle, assim como Hatoum, foi chamado para substituir o poeta egípcio Al-Barghouti, que perdeu ou teve furtado seu passaporte em Londres e, portanto, não pôde participar do evento. Enviou, porém, uma carta para o público, lida por Ángel Gurría-Quintana no início do encontro. Em seguida, coube a Mamede Jarouche a leitura de Em Jerusalém, um dos poemas de Al-Barghouti, que viu sua obra ser cantada pelos manifestantes que ocuparam a Praça Tahrir há pouco mais de um ano.


Mas afinal, o que torna revolucionária uma obra de literatura? Mamede Jarouche, tradutor de As Mil e Um Noites, fez questão de diferenciar duas linhas. Na primeira, a literatura é um instrumento da revolução. Nessa vertente, estão os poemas, até os de má qualidade, que são feitos para animar soldados, por exemplo, entoados como cânticos de guerra. Na segunda, observa-se um movimento interno na literatura, que busca um novo modo de produção literária, revolucionária em si mesma.


Um exemplo? O Alcorão, disse Mamede. “Ele pode ser visto como texto revolucionário, na medida em que se propõe como uma releitura para repor as coisas no lugar, e mediante o qual foi criado um dos maiores impérios que a humanidade conheceu. Antes dele, não havia nada semelhante na poesia árabe.”



Hoje, segundo Jarouche, há uma eclosão de autores que se apresentam como revolucionários apenas porque escrevem sobre a revolução. “Não acho que seja uma literatura revolucionária. Esses querem instrumentalizar ou ser instrumentalizados pela revolução.”


Não há arte revolucionária sem forma revolucionária. A famosa frase de Maiakóvski foi citada por Safatle, que discorreu sobre como a forma que usamos para nos expressar está ligada à nossa forma de pensar. “A literatura tem a capacidade de expor o descontentamento contra nossa maneira de pensar em determinada época. Existe uma ordem social que busca se afirmar e essa ordem vai produzir um abalo na própria gramática. Há momentos históricos em que já não é possível falar na mesma forma, pensar do mesmo jeito.”


Milton Hatoum foi enfático ao apontar que a literatura não tem um caráter doutrinário, de convencimento ou explicativo. Voltando a Graciliano Ramos, sobre quem falou na Conferência de abertura, lembrou que o alagoano se indispôs com a cúpula do Partido Comunista por não aderir à linha do realismo socialista e da arte proletária e por ter se recusado a alterar Memórias do Cárcere. “Foi um franco-atirador dentro da própria militância”, disse Hatoum. “Graciliano tem um poder muito mais esclarecedor do ponto de vista da consciência social do que um texto doutrinário ou panfletário. E é aí que a força dele está.”


Hatoum encerrou a mesa com um dos textos que integram Um Solitário à Espreita, recém-lançado. Escrito em junho de 2012, Estádios novos, miséria antiga parece premonitório, ao dizer: “Caprichem na maquiagem urbana e escondam (pela milésima vez) a miséria brasileira, bem mais antiga que o futebol. E quando a multidão enfurecida cobrar a dignidade que lhe foi roubada, digam com um cinismo vil que se trata de uma massa de baderneiros e terroristas. Digam qualquer mentira, mas aí talvez seja tarde. Ou tarde demais.”

quarta-feira, 5 de Março de 2014

Entrevista: Ângela Rodrigues Fernandes, nasceu em 1992 em Genéve na Suíça, é descendente de portugueses naturais de Barcelos.



Entrevista:




Ângela Rodrigues Fernandes, nasceu em 1992 em Genéve na Suíça, é descendente de portugueses naturais de Barcelos. As competências literárias são equivalentes ao nono ano e mais uma aprendizagem de três anos posterior ao nono ano na Poste Finanz. A Ângela trabalha em Zürich, porque a enviaram, foi obrigatório… Em Genéve fala-se o francês e em Zürich fala-se o alemão, daí as dificuldades acrescidas no alemão, (embora tenha sete anos de alemão) sobretudo porque em Zürich fala-se o schweizerdeutsch, ou seja o dialecto (suíço) em vez do hochdeutsch (alemão)


Quelhas - Ângela, você trabalha num local que se fala alemão e um dia quando acabar o seu curso e regressar à sua origem, acha que vai ter dificuldade de novo na sua profissão e na língua, nas formas diferentes de lidar, trabalhar e compreender a base de dados?


Ângela – Sim, vou ter, porque depois as palavras não conjugam, o francês é língua latina, embora deva superar tudo, pois domino bem a língua francesa.


- Que acha do Cantão de Zürich em relação ao Cantão de Genéve, na língua e nas pessoas?


- Os Cantões são idênticos, no que respeita à imigração são muito exigentes, no entanto acho que a maior diferença é que Zürich é mais acolhedor.


- Acha que os povos suíços são racistas?


- Racismo; há de tudo! Os mais velhos refilam e dizem mesmo: se não estão contentes ide para vosso país.


- Quanto aos portugueses acha que são racistas?


- As pessoas que vieram há trinta anos atrás não são racistas, eles habituaram-se. Os mais novos deixam muito a desejar, muitos vêm armados em finos.


- Acha que os portugueses são unidos e não são invejosos?


- A maioria dos portugueses são muito invejosos, vejo isso a começar nas famílias, imagino o resto da comunidade… Também acho que os portugueses procuram ser unidos por interesse e quando lhes convém.


- Que acha do referendo que quer quebrar o Acordo de Schengen com a europa e o não à imigração?


- Acho bem que cortem o Acordo de Schengen, porque vem para cá tanta gente, mal chegam pedem ajuda e a Suíça dá, para muitos a facilidade de viver sem trabalhar e ganhar sem fazer nada, ajuda a que muitos se portem mal, habituados a usos e costumes nos seu países de origem e também vem contribuir para a pobreza na Suíça e tirar emprego a quem cá está com a mão-de-obra mais barata e mesmo direi a trabalhar a negro.


- Que mudava na Lei suíça?


- Na Lei suíça não mudava nada! A Lei está bem-feita (não perfeita) em relação a Portugal. (talvez mudava a Lei dos presos, muitos apanham vinte anos de prisão e cinco anos depois estão em liberdade) 


- De que gosta mais na terra da Heidi?


- Nasci cá, trabalho cá, gosto de cá, está tudo dito! (as minhas férias vão ao encontro de Barcelos)


- Sabe quais são as principais indústrias na Suíça?


- Os famosos chocolates, o bom queijo, a indústria relojoeira e farmacêutica e talvez os grandes centros de cadeia alimentícia…


- Qual é o preferido desporto dos helvéticos?


- Hoje a suíça em relação ao passado já pratica todos os desportos, até o futebol que há anos apenas tinham equipes que nunca iam a competições europeias e nem participavam em provas de selecção. (não tivesse a Suíça instalado no Cantão de Zürich a FIFA) O desporto que reina mais e depende dos Cantões, será o hóquei em gelo, esqui, xadrez, rugby e ténis…


- Já visitou outros Cantões e qual gostou mais em relação a Zürich e Genéve?


- Visitei por exemplo Basel, Luzerna, Berne e Lausanne e todos têm semelhanças, a diferença é que em Zürich e Genéve, aqui eu vivo, nasci, cresci e trabalho, gostei de todos, das suas belas paisagens e das suas casas rusticas e tudo que envolve… porque afinal de contas foram apenas viagens!


- Já visitou os Alpes Suíços?


- Alpes? Não sou de montanhas! Hehehe, gosto mais da cidade que propriamente das serras e a aldeia, pelo ambiente e pelo movimento, temos tudo a nossos pés mesmo ali junto de casa.


- Ângela, você pensa acabar a sua vida um dia em Portugal?


- Talvez irei de vez para Portugal depois dos 50 anos para tentar gozar a vida depois de longos anos de trabalho na Suíça.


- Fale-nos da crise em Portugal?


- Crise! Não vejo crise nenhuma, ora veja; em férias só vejo bons automóveis e os restaurantes cheios de gente e telefones de alta geração. LOL, Não tenho muito tempo para verificar em tempo de férias o que se passa depois nos meses a seguir, apenas vejo e oiço as notícias na TV na Suíça, por isso não sei bem a real situação…


- Ângela, para terminar deixe-nos uma mensagem generalizada a todos os portugueses?


- Quero aproveitar de enaltecer o jornal Repórter X, por ser um jornal desta dimensão, que faz notícia na primeira pessoa e dá a dão da palavra com isenção a todos quantos queiram expor algo transparente. Quero também dizer a todos os portugueses imigrantes na Suíça, que aproveitem o melhor que a Suíça nos dá e quantos os portugueses em geral, desejo sorte na vida a todos, mas façam por isso, nada caí do Céu.


Ângela Rodrigues Fernandes no Repórter X
http://www.jornalculturaexpressaoportuguesa.com/

segunda-feira, 3 de Março de 2014

Entrevista: Anabela Duarte Pereira GB Nails Fashion GmbH


Entrevista: Anabela Duarte Pereira GB Nails Fashion GmbH

Sou uma mulher apaixonada pelo mundo da estética!...



Anabela Duarte Pereira nasceu a 27/06/1971, é natural da cidade de Mafra, no distrito de Lisboa, Portugal e reside na cidade de Zürich desde 1989!

Profissional de estética, na sua própria empresa, designada por GB Nails Fashion GmbH

Anabela, actualmente, é Divorciada e tem 2 Filhos, Ruben de 22 Anos e Fábio de 10 anos.

- Anabela, quando veio para a Suíça e porquê?

- Vim para a Suíça em 1989, para conhecer o meu Pai, por quem fui abandonada com um ano de idade. A vida trouxe-me muitas surpresas, desagrados, experiências, mas também muitas coisas boas, lutas e derrotas, mas que superei sempre com a vontade idónea de vencer sempre os fracos.

- Qual foi o seu primeiro emprego?

- Quando cheguei a Zürich, trabalhei para uma família, em casa privada, em Zollikon, durante 8 meses! A seguir fui funcionária num restaurante Italiano em Urdorf Zürich mais 2 Anos…, “entretanto fui Mãe do Ruben”!
Três meses após o parto, fui trabalhar para uma Residencial de idosos, como encarregada do pessoal, na área da limpeza e lavandaria, na qual permaneci mais onze anos, nesses serviços!
Nesse período divorciei-me do Pai do Ruben e, volvidos 2 anos, ele faleceu de doença.

- Ter sido Mãe, sem ter um Pai para apoiar um Filho, foi difícil?

- Sim, é sempre difícil; nessa altura fazia horas extras na limpeza e, para piorar, de caminho para casa, tive um acidente de carro que modificou a minha vida totalmente. Fiquei com a coluna vertical torta do lado esquerdo do corpo, pelo que fui obrigada, pelos médicos,, a deixar de trabalhar. Consistente, teimosa e porque tinha um filho para manter e educar, continuei a fazer as mesmas horas extas que tinha até então! Um certo dia, uma dita “AMIGA” foi-me denunciar aos serviços a dizer que eu estava a trabalhar e recebia seguro de acidente! Ficou-me cara a “aventura”; resumindo, tive uma multa de mais de 80.000 CHF e fiquei sem a renumeração da invalidez, até hoje!

- A Anabela não tornou a casar, ou teve alguém para apoiar seu filho?

- Sim, casei a segunda vez, desta feita com o Pai do Fábio, mas foi outra desilusão na minha vida, porque ele era uma pessoa que seguiu outros caminhos, que não são os meus princípios, pelo que posteriormente tive muitos problemas e dificuldades de viver e alimentar os meus dois filhos, por causa do último casamento, mal premeditado. Ele decidiu voltar à sua terra Natal, Espanha, e eu fiquei aqui sozinha e desesperada com os meus dois filhos, despesas e dívidas acumuladas, mas nunca baixei os braços e, mesmo sem poder trabalhar, bati a muitas portas, para arranjar trabalho e, com o problema de saúde que tivera tido anteriormente, não me davam trabalho.

- Qual foi a sua solução, num país como a Suíça, que se paga até o ar que se respira, a Krankenkassen obrigatória e renda de casa, etc?

- Como referi atrás, sou lutadora, apesar de todos os males que me aconteceram, meti na cabeça e montei uma firma de limpeza por minha conta. Aguentei sete anos e, depois como um azar nunca vem só, entrei em depressão e tive de abandonar tudo!

- Anabela, então depois disto tudo, ainda continua a lutar, não desistiu, não pensou ir para Portugal?

- Continuo sempre a mesma Anabela, a mesma mulher a mesma sonhadora, lutar para vencer e prova disso são os meus dois filhos e, agora que eles estão grandes e a estudar, para ter um futuro melhor que a mãe e já naturalizados suíços, o Ruben a fazer o serviço militar e o Fábio no 5º ano, nunca mais vou para Portugal, nem pensar (vamos de férias porque gostamos de Portugal). Por eles, e com ajuda de Deus, continuo sim a lutar e, por eles, fiz o esforço de tirar um curso de cosmética e unhas de gel, massagem, visagem, tratamento de pés; de hobby passou a profissão, pois sou uma mulher apaixonada pelo mundo da estética!

- Porque não fez de profissão esta arte de beleza, anteriormente?

- Nunca é tarde, só surgiu agora, finalmente faço o que gosto, porque amo o que faço e adoro ter clientes e amigos e por isso respeito-os, com muita consideração e estima.

- Quais são os seus projectos futuros?

- Neste momento quero expandir o meu negócio, com novos projetos, mas quero dar um passo de cada vez, para que tudo, agora, corra finalmente bem; acredito que sim, estou no bom caminho e com perspectivas muito boas, porque o futuro me espera “Pois acho que também mereço por tudo que já passei”!

Anabela Duarte Pereira afirmou, ao Repórter X, que foi assim e com grande sofrimento, e uma luta constante, que chegou até esta etapa e sempre sem baixar a cabeça nem os braços; venceu!

“Luto todos os dias com a ajuda de Deus e ao lado dos meus filhos.”

- Deixe uma última mensagem aos seus amigos e clientes e povo, em geral, na comunidade portuguesa na Suíça!

- Aqui deixo o meu forte abraço e muito carinho para toda comunidade portuguesa, e estrangeiros em geral, com um conselho de Amiga; nunca desista dos seus sonhos e nunca pense que é só você que tem problemas; há pessoas que estejam muito piores que você.


Anabela Duarte no Repórter X por Quelhas


               
GB Nails Fashion GmbH
CONTACTO:  (+41)44 666 03 07  (+41)076  289 08 84
Sagereistr.24/ 8152 Glattbrugg
Segunda a Sexta - feira/ Sabado das 9h as 18.30h
Idiomas: Pt, Esp, It, Dt

sexta-feira, 27 de Dezembro de 2013

QUELHAS Nobre filho da PÓVOA DO LANHOSO

O QUELHAS,  é o filho mais famoso
Figura que me apraz cantar em verso
Que nasceu na Póvoa do Lanhoso
A Terra que se orgulha ser seu berço.

 Mas um dia por destino ou opção
Não deixou qual vontade ser omissa
Num impulso e por sua decisão
Resolveu ir viver para a Suíça.

 Levou prà Diáspora na bagagem
Do seu Minho a semente cultural
E funda com relevo e com coragem
Em língua portuguesa um JORNAL.

 Exalta nos seus livros e artigos
Sua Terra e do Minho o horizonte
Entrevista o povo e os seus amigos
Divulga quem foi Maria da Fonte.

Seu portal com altruísmo propala
Cultura , poetas e escritores
D’artistas seus talentos assinala
Divulga a nossa música e cantores.

O QUELHAS, este poema retrata
Num perfil exemplar e de valor
Da cultura singular diplomata
Merece ter áurea de EMBAIXADOR!...

Euclides Cavaco

domingo, 15 de Setembro de 2013

Jornal repórter X “cultura de expressão portuguesa” em papel e online e também no facebook

Caros Assinantes; Jornal Repórter X
“cultura de expressão portuguesa”
 
Periódico Mensal N. 18
Setembro 2013 Ano II - está online.

Pedimos desculpa por só amanhã, Segunda-feira, metermos o jornal no correio, pois a Gráfica tive um trabalho urgente para a Universidade do Minho, no qual atrasou a nossa edição, no qual nos justificaram e compriendemos...

  OBRIGADO A TODOS.

Assinem e patrocinem connosco, nós somos a melhor publicidade, pagam uma e nós colocamos nas redes sociais e tem muita visita no site...
...
Vejam quantas visitas temos por dia!
http://www.jornalculturaexpressaoportuguesa.com/

Today Hoje 105
Yesterday Ontem 218
This Week Esta Semana 511
This Month Este Mês 1,330
All Days Desde Sempre 15,685, quer dizer que, uns meses por outros dá aproximadamente 70 visitas ao dia; SUPER!

sexta-feira, 16 de Agosto de 2013

Quelhas, a presidente virtual às autárquicas locais na Póvoa de Lanhoso. Política ao “Calhas” / autárquicas

Política ao “Calhas” / autárquicas  
Quelhas, a presidente virtual às autárquicas locais na Póvoa de Lanhoso.
Slogan:
“O caminho é para a frente e a crítica faz parte do meu caminho, para ajudar a entender o Mundo melhor aqueles que tomam o poder, julgando serem donos de tudo”
Apresento-me nas autarquias, nas listas do PCP (partido cultural popular) a Presidente da Câmara da Póvoa de Lanhoso, na terra da Maria da Fonte.
A minha equipe:
Se eu for eleito presidente de todos os povoenses, elegerei como número 2, o maior político a viver na Póvoa de Lanhoso, Sociólogo; José Macedo de Barros. Porque era justo, e porque seria o melhor fragmentado numa candidatura. Não tem máquina partidária que o apoie e seria um grande passo para ser o melhor candidato daqui a 4 anos, para substituir o futuro presidente, ele é o homem do momento que mais entende da matéria política e partidária. Era ao número 2 que EU dava sempre ordens, para ele meter todos em ordem, para EU ser sempre um bom presidente, assim ninguém me apontava o dedo.
Para a pasta da cultura, reafirmava a então, ex. Vereadora da Cultura; Dra. Fátima Moreira, até porque foi o melhor elemento do executivo do PSD. A sua personalidade forte ia ficar mais forte, mas fica aqui claro que, em caso de eu ficar doente, quem assumia o meu lugar é o Frederico Castro e o Sociólogo mantinha-se o número 2, até porque não correndo o risco, seria um justo vencedor à prova daqui a 4 anos. Não quereria que o meu número 2, fosse presidente sem o ser, tal como Lúcio Pinto foi presidente sem ser eleito... No entanto a senhora Vereadora, tal como o Dr. Armando no presente, não podem errar como no passado a serem uns paus mandado pelo Gabinete da Comunicação.
Escolherei ainda para Vereador com a pasta da educação, a senhora; Deolinda Queiroz, a então candidata à cabeça de lista pelo CDS/PP, sendo que vem de uma família com auto-estima. Não percebendo patavina de política, tal como a ex. Vereadora do PSD, Viria a aprender as lidas da casa com os nossos homens fortes que, vão actuar nas minhas costas, mas não admitia que se portassem como galinhas no poleiro entre elas como aconteceu no passado presente com as Doutoras; Gabriela Fonseca e Fátima Moreira… (ver vídeo da entrevista ao presidente no Youtube) Respeitinho…
PERDÃO: O Candidato da CDU também já tem candidato às autárquicas, mas não tem candidatos à Assembleia de Freguesias, portanto que chance tem o candidato! No entanto estou disponível a dar-lhe a pasta da acção social para ele tentar ser popular como o Sr. Baptista. Tenha as restantes pastas que poderia deixar para o elemento forte da CDU, uma vez que nunca elegerem ninguém para a Assembleia e para que daqui a 4 anos aparecessem mais fortes depois de conquistarem os povoenses.
Nota:
Portanto, não escolheria nenhum elemento do executivo actual, porque volvidos oito anos, já mostraram aos povoenses o que valem e, os povoenses nas próximas eleições autárquicas, no dia 29 de Setembro de 2013, irão os julgar…
Promessas:
Se votarem em mim, anuncio, a substituição do gabinete da comunicação social da Câmara da Póvoa de Lanhoso e metia lá alguém com isenção, que não julgassem os artistas nem as obras e não manipulassem o Vereador da Cultura e nem o chefe de Gabinete da Biblioteca Municipal. Substituía ainda os responsáveis pelo departamento da Tesouraria, por pagarem facturas indevidas por engano e pedirem depois a devolução das mesmas. Substituía ainda o responsável pelo departamento das contribuições autárquicas, por avaliar as casas velhas sem telhado como novas. Teria que rever os responsáveis pela secção da água e do lixo, engenheiros de obras públicas… Várias pessoas!
(Principalmente na acção social, que sei que, querem mandar alguém viver para Braga ou Porto, uma pessoa, segundo eles, para ser tratado e posteriormente morar nessas localidades. Pelo que apurei, essa pessoa sofreu um acidente e está inválido e diz, não precisar de tratamento de álcool e que, tem ajuda no banco alimentar à semana e recebe mercearia na casa da família para o fim-de-semana…)
- Teria de perceber melhor estes problemas que se passam contraditórios.
Não despediria ninguém, no entanto subia uns e descia outros de posto, embora soubesse o risco que corria de ir para a tribunal, tal como o caso do calceteiro e do presidente! Mas valia a pena correr o risco para haver isenção e um concelho melhor, e serem tratados todos por igual, não haver favores em qualquer função, não favorecer uns e desfavorecer outros e não dar trabalho aos mais próximos e sim aos mais necessitados. Aqueles do rendimento mínimo nacional, teriam de ser revistas as suas situações precárias, porque no meio disto tudo há muitos malandros a receberem; e claramente, aqueles que tivessem saúde, metia-os a trabalhar como funcionários da Câmara, e em função trabalharem em tempo útil que justificassem o valor que ganham e pagar a diferença, caso fosse preciso! Seria o candidato da diferença, que me preocupava com o povo, em vez de me preocupar comigo primeiro, à espera de uma reforma política que me ficaria para toda a vida.
Eu acho que se não for, EU, o vitorioso, vai dar mais do mesmo! É assim que acontece de quatro em quatro anos em todos os lugares, desde a Assembleia de Freguesia, Autárquicas, Governo da República e Presidência da República. Eu serei a diferença e até irei com o Frederico Castro à Assembleia da República, reclamar, para que os emigrantes votem no estrangeiro, no entanto acho que mais fácil, era pagar autocarros de vinda e volta aos emigrantes para virem votar aqui no concelho em mim! Era Victória certa! “Foi o Frederico que me deu esta dica”; até porque é a ele, a quem vou confiar como homem da retaguarda, aquele que vai actuar na sombra, aquele que vai nos guiar juntamente com o meu número 2, porque nenhum dos outros é político ou entende de política.
 
...Basta olhar para trás e ver a reforma administração local das freguesias que até mete dó! 
Eu já sou o vosso presidente antecipado, já me dou como victorioso nesta campanha eleitoral do aproveitamento e da auto-estima, do reconhecimento e da vaidade.
Como presidente, introduzirei o jornal Repórter X, no Concelho de Lanhoso e será isento para todos os partidos, coisa que não acontece com os outros. Convidei todos os três partidos, excepto um, pelo motivo que dei acima; a fazerem um encartamento eleitoral, mas, uns estão encostados aqui e outros ali e não tomam posição com medo da censura e do Lápis Azul, porque talvez os meus adversários não acreditem na minha candidatura.
 
 
Eu serei o vosso presidente!
Se não for, que ganhe o melhor… em Democracia. Boa sorte a todos. PERDAO!

domingo, 11 de Agosto de 2013

My entrevista Quelhas é um autor português... rádio 93,5 FM

Aqui neste programa, The 4, na vossa rádio, Nove3Cinco FM, só se fala asneira, mas também coisas muito sérias a brincar!

emendo: Euclides Cavaco, está em London no Canadá, no qual peço desculpa e Efigénia Coutinho no Brasil, grandes amigos poetas onde me refugio e partilho poesia com eles...

quinta-feira, 18 de Julho de 2013



Se Manuel Bandeira                         (Alhures e Nenhures)
Foi-se embora pra Pasárgada
Vou-me embora pra Nenhures
cuja capital é o "Riolhures"
e que todos ficam de "olhures"
nos governantes, e que                              (Dennys Andrade
ao primeiro sinal de 
"roubalhures" e até "corruplhures"
o povo coloca estes "politilhures"
para fora do Poder:
Um povo assim, antenados e 
sempre, sempre "atentolhures"
já retiraram até um "presidentelhures"
que ficou sem nenhures;
mas que já voltou à Alhures de Nenhures
e agora se equilibra 
na corda banba "xulhures" da
máquina "estatalhures"
E até a força repressora do governo
que estão se "lixulhures" para as manifestações populares.
Como???
Cruzandolhures os braços devido
a critica de alhures...

18/07/2013   Dennys Andrade


Dennys Andrade, www.sopinhadeversos.blogspot.com - Brasil, Rio de Janeiro

quinta-feira, 4 de Julho de 2013

Jornal Repórter X, (Novo Design) este jornal tem um rosto, chama-se, Quelhas




Livro Censurado: Prostitutas; Amor, Sexo ou contacto físico...?

Critica social construtiva:

A capa é o que de mais singelo existe e não é considerada pornografia. Talvez seja mais chocante o título, Prostitutas; Amor, Sexo ou contacto físico...? E, como devem saber, não devemos omitir nada; talvez os adultos sejam mais maliciosos que as crianças? Hoje, em dia, as crianças têm educação sexual na escola, enquanto a maior parte dos adultos não a tiveram e, por isso, digo que a maldade vem dos adultos, porque muitos não tiveram formação educacional na escola. Não há nada que substitua a capa, mas que lá está, e como disse na alínea anterior, o título é mais perturbante que a capa. Os analistas nada de mal vêem no conteúdo do livro, quando ele retrata factos sérios e verdadeiramente comoventes; não vai ser uma capa que vai deitar tudo a perder, só porque existe uma opinião pessoal, de alguém, que quer mudar tudo! Acho que não tem piada nenhuma fazer uma comunicação sem uma capa e sem um título! A mesma coisa que apresentar um livro, sem capa e só com o miolo, é ridículo e absurdo. As coisas são como são, é por isto e por outras coisas que a humanidade nunca se entende…! Fiz a minha observação e não quero de maneira nenhuma que me interpretem mal, quando sou eu próprio a dizer aquilo que penso, pelo direito de expressão.

Estou desiludido com tudo que se passa à minha volta, porque todos querem mudar o que os outros são, pensam e constroem, por simplesmente misturarem as coisas culturais com coisas políticas, dificultando a vida a uma pessoa, que tanto faz por uma terra, em prol de uma sociedade, na comunicação social e no círculo da imigração. Refiro-me ao lançamento do meu livro; embora aceite a posição do Gabinete da Comunicação da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, não concordo com a posição tomada em conjunto pelo Pelouro da Cultura, pela não-aceitação de divulgação e espaço cedido, de um livro feito com carinho, como tantos outros, por causa de um título e com conteúdo TABU, em torno da Prostituição; sobretudo não aceito preconceitos dos que criticam antes de lerem! Acima de tudo acho e penso que está, acima de tudo, a promoção de um autor da terra, para além daquilo que possam pensar as mentes perversas.

Precisamos de uma sociedade moderna e sem Lápis Azul, para que não sejamos censurados agora, como no tempo da Pide. É assim que me sinto, porque não tem que ser tudo POESIA idílica. A vida real e suja de todos pode ser transposta em arranjos limpos e puritanos poéticos, pelo que este livro é uma filosofia, com poesia de vida...!



João Carlos Veloso Gonçalves “Quelhas”

Frederico Castro, é candidato pelo PS às autarquias locais na Póvoa de Lanhoso

Passagem em campanha por Zurique

Repórter X na entrevista



Frederico Castro, é candidato pelo PS às autarquias locais na Póvoa de Lanhoso. Em campanha eleitoral passou por Zurique com a sua comitiva, incluindo quatro candidatos à Assembleia de Junta de Freguesia. Os locais que passaram, mais precisamente, depois de terem passado por França, foram no restaurante Maria da Fonte onde almoçaram e no restaurante Fabiana onde jantaram. A Comitiva reuniu com amigos, incentivando os emigrantes a que seus familiares votem no candidato da Oposição, isto porque no estrangeiro os emigrantes não tem direito aos votos para as autarquias e para o Governo da República, apenas há direito de voto nas Presidenciais. Com tudo isto refiro, que a imigração sente-se discriminada e como portugueses de segunda, não tendo voto na matéria, de poder eleger o melhor candidato para a sua região, terra que nasceram e pensam um dia voltar, onde pagam os seus impostos, exemplo das contribuições autárquicas…


O PS tem fortes candidatos em todas as freguesias. O partido não teve que incentivar os candidatos à junta de freguesia, a fazerem uma lista com elementos dos agrupamentos de duas ou três freguesias. Qualquer candidato que esteja no poder tem meios que outro candidato não tem e, o Sr. Baptista é um candidato forte à presidência da Câmara, mas o PSD tem agora a prova dos nove. O povo está muito cansado da Câmara Municipal, do Sr. Presidente e de alguns elementos do executivo e quer uma nova alternativa. A Ex. Vereadora, Dra. Fátima Moreira, a agora número dois na lista do PS para a Câmara Municipal, foi o melhor elemento do executivo do PSD, não é agora que digo isto, porque já elogiei muitas vezes a Ex. Vereadora da Cultura anteriormente. Eu simpatizo com algumas ideias do CDS nestas eleições autárquicas. Tenho a certeza que a Deolinda Queirós, está nesta campanha com uma postura de respeito. O CDS pode ter um papel importante nestas eleições e a candidata Deolinda Queirós, numa necessidade de coligação, poderia ter um lugar na Vereação da Câmara no executivo do PS, caso eu, venha a ser presidente. Não conheço nenhum candidato pela CDU, mas penso que vai aparecer. O ter passado pela Assembleia da República como Deputado, estava em Lisboa e sentia-me mais como um político local e não nacional, era mais visto um Deputado com perfile de autarca, que alguém que quisesse fazer carreira em Lisboa.

E foi assim, mais ou menos entre outras palavras "a ver no Youtube" que o candidato à Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso conversou como a autor da terra, dando a tão esperada entrevista para o jornal Repórter X, "cultura de expressão portuguesa" e respeitando todo o trabalho desenvolvido em prol de uma sociedade cultural e representativa no exterior…

Concentração de brasileiros em Zurique numa manifestação pacífica e sem policiamento.

O Brasil acordou.

Cerca de 350 pessoas em Zurique viveram com emoção a primeira manifestação á memória de um povo na Suíça, que fica para a história, aconteceu na quinta-feira deia 20 de Maio de 2013.

A manifestação foi autorizada pelas entidades competentes e ocorreu em Helvetiaplatz, no centro da cidade de Zürich. Os cartazes transmitiam ordem, respeito e apelos ao governo brasileiro, ergueram-se as bandeiras e os manifestantes cantaram o hino nacional brasileiro e a palavra de ordem: “O povo unido jamais será vencido”. Tinha muita gente provenientes de outros países ao arredor a observar esta manifestação pacífica e sem procedentes.

Porque vocês estão aqui na manifestação?

A melhor manifestação, não será os brasileiros não aderirem á Copa do Mundo em 2014?

- Porque a gente está cansada de correpção. O Brasil está a preparar-se para a Copa do Mundo e com os hospitais e as escolas no estado que estão e, um país sem educação não vai a lado nenhum. A gente quer um povo que estuda, um povo que acredita no futuro, o futura é a gente, o povo que estuda, o futuro é a educação; não e o samba da mulata nem as pernas bonitas dos jogadores, é por isso que estamos aqui hoje. A gente não quer essa Copa do Mundo, quer é Samba no pé, o Brasil acordou. Nós solidarizamos com o povo brasileiro. Queremos mais qualidade de vida na saúde, segurança no trabalho, nas escolas e na rua, educação e investimento na mesma e não no futebol na Copa do Mundo.

Diz um entrevistado ao nosso jornal; Repórter X:

“Este e um dia que ficará marcado para que um dia conte a meus netos o que aconteceu aqui hoje em prol da solidariedade com o povo brasileiro nosso irmão lá no brasil. Dilma Fora. Como brasileiro digo que o Brasil não havia de ter Copa do Mundo não. O dinheiro que o Brasil ganha com o Futebol está no rabo da Dilma e do Ronaldo e para mim, o Ronaldo não e brasileiro não.

Palavras para que?
Visitem o Youtube no canal QuelhasGonçalves e vejam e ouçam as entrevistas…

 In Jornal: Repórter X “cultura de expressão portuguesa”
Autor: Quelhas



Outros apontamentos:

Rio de Janeiro - Brasileiros na Suíça estão sendo proibidos de protestar na porta da sede da FIFA, em Zurique. A manifestação estava programada para quinta-feira. Enquanto o governo tenta justificar suas contas e a população toma as ruas, a FIFA não escondia o mal-estar diante da situação e agora argumenta que são apenas “convidados” no Brasil. Fontes dentro da organização confessaram à reportagem que a cúpula da entidade está perdida e que não esperava as manifestações.


O protesto marcado para Zurique fez parte do movimento que ganhou cidades por todo o mundo e está sendo organizado por brasileiros que vivem na Europa. Mas, diante da recusa da prefeitura de Zurique em permitir o protesto na porta da FIFA, ela terá de ocorrer no local determinado pelas autoridades, longe da entidade.

A onda de protestos está pegando a FIFA de surpresa. O próprio Joseph Blatter e Jérôme Valcke deram declarações consideradas internamente como desastrosas. Há dois dias, Valcke disse em um seminário que estava “convencido de que se o Brasil ganhasse a Copa, as críticas seriam esquecidas”. Já Blatter insistiu que o futebol é “mais forte que a insatisfação das pessoas.”

O discurso era outro. “Somos convidados ao Brasil”. Por enquanto, a estratégia da entidade é a de apontar que a insatisfação do povo é com o governo.

A FIFA organizou uma colectiva de imprensa para, coincidentemente, falar do legado social e ambiental da Copa. Segundo os dados da entidade, 1% de sua renda vai para questões sociais. Mas a entidade se recusou a falar quanto era esse valor em comparação ao salário de Blatter.

Fonte: D24am.com

Arquivo do Blogue

Imagens

Loading...

Linda Póvoa

Loading...

(Mensagens antigas)

POR FAVOR, PARA VER TODOS OS TEXTOS, CLIC NO FIM DE CADA PÁG. (Mensagens antigas)